Envio de trabalhos para o Encontro de Ensino de Geografia é prorrogado até 02/07

O prazo para envio de trabalhos para o 6º Encontro Regional de Ensino de Geografia foi prorrogado até o dia 2 de julho de 2018! O evento acontece entre os dias 19 e 21 de outubro e a edição deste ano tem o tema “Ensinar Geografia com a diferença e com a política”.

As apresentações acontecerão no dia 20 de outubro, um sábado.

Não deixe de participar! Envie um texto referente à sua pesquisa acadêmica ou uma prática educativa elaborada com seus alunos. Inscreva-se aqui e veja como enviar seu trabalho.

O 6º Encontro Regional de Ensino de Geografia é organizado pela AGB-Campinas em parceria com o Ateliê de Pesquisas e Práticas em Ensino de Geografia (APEGEO).

Inscreva-se na aula aberta “Caminhos e perspectivas da permacultura no Brasil”, na noite de 21 de maio

 

Em parceria com o Coletivo Agroecológico Cantadores de Sementes, vamos receber Djalma Nery na noite de 21 de maio para uma aula aberta sobre permacultura, por ocasião do lançamento de seu livro Uma alternativa para a sociedade – Caminhos e perspectivas da permacultura no Brasil. A atividade faz parte da II Semana dos Cantadores de Sementes e é aberta ao público.

INSCREVA-SE AQUI

Djalma Nery é cientista social, professor da rede pública estadual de ensino em São Carlos (SP), mestre pelo programa de pós-graduação em Ecologia Aplicada da USP, praticante de permacultura desde 2008 e um dos fundadores da Associação Veracidade. Ativista ambiental, ecossocialista e educador popular, ministra cursos, oficinas, vivências e palestras em diversas regiões do país.

Estamos fazendo a pré-venda do livro por R$50,00. Caso tenha interesse em reservar um exemplar, entre em contato conosco neste link!

Ao pensar no título deste livro, “Uma alternativa para a sociedade”, de que exatamente estamos falando? De que alternativa? Alternativa à que? Para quê?

Vivemos uma era que ameaça o planeta e todas as suas formas de vida por meio da exploração desmedida da natureza; uma sociedade que banaliza a violência e a miséria, explora os seres humanos e propaga aos quatro cantos a desigualdade e a injustiça. Tal cenário apresenta-se completamente insustentável, estando fadado a nos lançar ao caos e ao extermínio ainda que seja na busca de uma sobrevida para esse sistema que não dá valor a vida, mas sim vida ao valor.

O que a permacultura propõe para superar esses desafios, na prática, é uma revolução. É a busca de uma cultura da permanência em um contexto regido pelo imediatismo, individualismo e sem preocupação com nada nem ninguém que nos suceda; permacultura é a busca por um modo de vida e de organização humana que possa ser mais duradouro e sustentável de fato, e não apenas na retórica. Em outras palavras: essa é uma obra sobre possibilidades concretas de mudança.

Espero ser possível, durante a leitura deste livro, vislumbrar e contagiar-se com novas possibilidades, exatamente como aconteceu comigo durante a sua escrita: ao longo do processo, reforcei minha convicção de que é preciso experimentar outra maneira de existir e de estar no mundo, diferente desta que nos é oferecida a priori. Esperança e felicidade é o que sinto ao saber que não são poucas as pessoas dedicadas à construção destas e de outras tantas alternativas.

Inscreva-se na oficina “Solo na Escola”, na manhã do dia 10 de maio

O solo, tão fundamental quanto desconhecido

Os solos, recurso natural finito, são fundamentais para as sociedades, sendo a base das nossas edificações, assim como para a produção agrícola.

Apesar da sua imensa importância, a sociedade pouco sabe sobre o solo, o que decorre, em parte, de ser tema pouco abordado da educação básica. Isso contrasta com o esforço global para seu melhor conhecimento, com diferentes ações da FAO e da ONU: 2015 – Ano Internacional dos Solos; 2015-2024 – Década Internacional dos Solos e também no Brasil, com o PronaSolos (Programa Nacional de Levantamento e Interpretação de Solos), que teve início em 2017 e vai realizar o mapeamento pedológico do Brasil, em escalas adequadas, pelos próximos trintas anos.

A oficina do dia 10

O objetivo central da oficina é discutir os conceitos básicos sobre solos, e como realizar alguns experimentos em sala de aula para o melhor conhecimento de sua evolução e dinâmica, com base no Programa Solo na Escola, do Departamento de Solos e Engenharia Agrícola da Universidade Federal do Paraná.

A oficina consiste em um primeiro momento teórico, com o Prof. Dr. Francisco Bernardes Ladeira, do Departamento de Geografia da Unicamp. O segundo momento, com os experimentos práticos, será conduzido em grupos, por seis monitores: Camila, César, Estéfano, Lidiane, Pedro e Rafael. Por fim, haverá um debate e a avaliação dos resultados obtidos com as atividades.

Instrução para as inscrições

Devido às atividades práticas, as vagas serão limitadas a 30 participantes.

Sócios da AGB têm 50% de desconto:

Sócios da AGB

R$10,00

Não-sócios da AGB

R$20,00

Saiba como se associar aqui!

Acesse o formulário abaixo e informe os dados solicitados.

Após se inscrever, você receberá, em até 24 horas, por e-mail, as informações para pagamento.

A preferência se dará por ordem de recebimento do comprovante de pagamento.

As inscrições estarão abertas até se esgotarem.

INSCREVA-SE AQUI

Aula aberta “Impactos de políticas de Ciência & Tecnologia no Brasil no período recente”

No dia 12 de abril (quinta-feira), das 10 às 12 horas, no Instituto de Geociências da Unicamp (em sala a confirmar), o Prof. Sergio Luiz Monteiro Salles Filho debaterá o tema “Impacto de políticas de Ciência & Tecnologia no Brasil no período recente” em aula aberta para todos os públicos.

O professor Sergio Salles Filho é Professor Titular do Departamento de Política Científica e Tecnológica e diretor do Instituto de Geociências desde 2017. Leciona no curso de graduação em Geografia da Unicamp nas disciplinas de Ciência, Tecnologia e Sociedade, Geografia Agrária e Desenvolvimento da Agricultura Brasileira. Tem grande experiência nas linhas de pesquisa de Política de C,T&I, Planejamento e Gestão de Organizações Públicas e Privadas de Pesquisa, Economia da tecnologia, Avaliação de programas e instituições, Prospecção e estudos do futuro, Financiamento da Pesquisa e da Inovação e Propriedade Intelectual.

Inscreva-se gratuitamente clicando aqui.

Serão emitidos certificados de participação.

Evento no Facebook

Minicurso “Reformas urbanas das cidades brasileiras do século XX: o caso de Santos”

INSCREVA-SE AQUI

Este minicurso visa introduzir ao público questões sobre as reformas urbanas realizadas ao longo do século XX para sanear e “embelezar” cidades brasileiras. Toma-se como exemplo o caso da cidade paulista de Santos, objeto de intervenções desde o final do século XIX. Discute-se os planos desenvolvidos para esta cidade, em especial, o realizado pelo engenheiro sanitarista Francisco Saturnino de Brito. Com base em documentos primários, apresenta-se para o debate os limites do plano e qual a sua real extensão.

Através da utilização de cartografia digital que considera aspectos geográficos e históricos da cidade de Santos, foram inseridos pontos referenciais na carta de 1924. Metodologicamente, foi aplicado o georreferenciamento relativo de mapas históricos passando pela vetorização de alguns elementos escolhidos, para, a seguir, trabalhar a cartografia elaborada analiticamente. Os mapas históricos e a geografia que contém nos seus variados de métodos de representação podem permitir novas análises e formulações teóricas sobre o espaço e a infraestrutura na cidade de Santos no início do século XX.

Cristina de Campos é cientista social pela Universidade Estadual Paulista e mestra e doutora em Arquitetura e Urbanismo pela USP, orientada pelo professora Maria Lucia Caira Gitahy. É professora do Departamento de Política Científica e Tecnológica do Instituto de Geociências da Unicamp, sendo atualmente responsável pela disciplina de História Econômica, Política e Social do Brasil do curso de Geografia da Unicamp.

Robson Simões é geógrafo pela Unicamp e mestrando no Programa de Pós-Graduação em Geografia da Unicamp, sob orientação do Prof. Dr. Ricardo Castillo.

AGB-Campinas recebe o geógrafo Luis Leandro Ribeiro para discutir trabalho de campo e pesquisa em Geografia

A AGB-Campinas convida para a palestra
Relato de experiência de trabalho de campo em Geografia
com Luis Henrique Leandro Ribeiro, doutor em Geografia pela Unicamp e pós-doutorando na FFP/UERJ
Data: Sexta-feira, 01/12/2017
Horário: 10h
Local: sala EB-04 (Engenharia Básica)
* * *

Na próxima sexta-feira, dia 1º de dezembro, às 10 horas, na sala EB-04, receberemos Luis Henrique Leandro Ribeiro, que compartilhará conosco sua experiência de trabalho de campo para elaboração da tese de doutorado Território e macrossistema de saúde: os programas de fitoterapia no Sistema Único de Saúde (SUS) — que recebeu o prêmio CAPES na área de Geografia no ano de 2016.

A atividade é organizada pela AGB-Campinas, com apoio do Programa de Pós-Graduação em Geografia da Unicamp.

Luis Ribeiro graduou-se em Geografia pela Unicamp e realizou o doutorado no Programa de Pós-Graduação em Geografia sob orientação do prof. Márcio Cataia. Atualmente é pós-doutorando na Faculdade de Formação de Professores da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, desenvolvendo a pesquisa Metrópole, Território e Estado: escalas e sentidos da apropriação urbana no uso de plantas medicinais e fitoterápicos no Leste Fluminense (RJ). Colabora no Observatório Geográfico do Leste Metropolitano do Rio de Janeiro (OBGEO-LMRJ) e integra o Núcleo de Pesquisa e Extensão: Urbano, Território e Mudanças Contemporâneas (NUTEMC), sob coordenação da Profa. Dra. Catia Antonia da Silva. É também pesquisador colaborador no projeto Brasil Saúde Amanhã de Prospecção Estratégica do Sistema de Saúde Brasileiro na Fundação Oswaldo Cruz.

Leia mais:

  1. O SUS que não se vê. Geógrafo investiga especificidades do macrossistema de saúde nos “quatro Brasis”. Reportagem de Luiz Sugimoto para o Jornal da Unicamp (outubro de 2015)
  2. A Saúde e o território. Entrevista a Marina Schneider (Saúde Amanhã) (janeiro de 2015)
  3. Pesquisa mostra que todo brasileiro já precisou, precisa e vai precisar do SUS, Carta Campinas (outubro de 2015)
  4. Saúde: campos de invisibilidades do SUS (FPA Informa) (janeiro de 2016)
Luis Ribeiro, há um ano: “Nesse ano tenebroso e temeroso, a felicidade, orgulho e honraria junto ao Professor Márcio Cataia, muito considerado mestre, na Premiação Capes de Teses 2016”

Em agosto, na Unicamp, faça conosco a leitura coletiva da Base Nacional Comum Curricular

Texto: Gustavo Teramatsu

O professor Rafael Straforini, à frente do GeoPibid da Unicamp e do Ateliê de Pesquisas e Práticas em Ensino de Geografia (APEGEO) e integrante do GT de Ensino da AGB-Campinas, está organizando uma leitura coletiva do texto da Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Serão três encontros no mês de agosto, nas tardes de segunda-feira — horário já reservado para as reuniões do Pibid Geografia no Instituto de Geociências da Unicamp.

A iniciativa se soma à leitura coletiva ocorrida na FFLCH/USP no último sábado, dia 12 de agosto, promovida pelo GT de Ensino e Educação da AGB-São Paulo e pelos laboratórios de Ensino e Material Didático (LEMADI/USP) e de Cartografia e Instrumentação para o Ensino de Geografia da UFScar de Sorocaba.

A atividade é aberta a todos os interessados — basta comparecer no horário indicado abaixo.

POR QUE PARTICIPAR

O tema é urgente. O Conselho Nacional de Educação está organizando cinco audiências públicas para discussão do texto da BNCC, uma em cada Grande Região do país. A Associação dos Geógrafos Brasileiros está participando do debate. A primeira delas ocorreu em Manaus em 7 de julho; a segunda, em Recife, em 28 de julho; e a terceira, em Florianópolis, em 11 de agosto. A próxima, referente à Região Sudeste, acontecerá no dia 25 de agosto na cidade de São Paulo, das 8 às 17 horas, no Auditório da Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência (Memorial da Inclusão), no Memorial da América Latina, ao lado do Metrô Barra Funda. Mais informações estão no edital de chamamento.

Os interessados em participar da audiência podem se inscrever entre os dias 14 e 17 de agosto na página do CNE, onde também haverá transmissão ao vivo, no dia 25, e onde podem ser vistas as gravações das audiências anteriores. São 350 vagas.

LEITURA COLETIVA DO TEXTO DA BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR (BNCC) NA UNICAMP

1º ENCONTRO: INTRODUÇÃO
14 de agosto, 14h às 17h

2º ENCONTRO: ÁREA DE CIÊNCIAS HUMANAS E GEOGRAFIA
21 de agosto, 14h às 17h

3º ENCONTRO: GEOGRAFIA
28 de agosto, 14h às 17h

Local: Sala EB07 | Engenharia Básica, Rua João Pandiá Calógeras, 148, em frente ao Instituto de Geociências, na Unicamp

DOCUMENTOS

Versão Final da Base Nacional Comum Curricular (PDF)
Estudo Comparativo entre a Versão 2 e a Versão Final da BNCC (PDF)
Guia de Leitura da Base Nacional Comum Curricular (PDF)

Nota sobre a Reforma do Ensino Médio (DEN/AGB)
Carta aberta: A imprescindível crítica à reforma do Ensino Médio e o papel da Geografia (ANPEGE)

Próximo Encontro Nacional de Geógrafos será em João Pessoa, em julho de 2018

A AGB-Campinas apresentará na 131ª Reunião de Gestão Coletiva, em São Paulo, nos dias 7 a 10 de setembro, nossa proposta de identidade gráfica para o XIX Encontro Nacional de Geógrafos, que acontecerá em João Pessoa (PB), com sede no campus I da Universidade Federal da Paraíba, entre 8 e 14 de julho de 2018. A identidade é utilizada em todo o material do evento: banners, cartazes, caderno de programação, crachás, certificados, anais etc.

Os interessados podem enviar as propostas pelo e-mail da secretaria da AGB-Campinas (secretaria [at] agbcampinas.com.br) até o dia 3 de setembro.

As propostas devem se relacionar com o tema Pensar e Fazer a Geografia brasileira no século XXI: escalas, conflitos socioespaciais e crise estrutural na nova geopolítica mundial, e com a seguinte ementa:

Crise Estrutural. A geopolítica da água e da terra e as apropriações da natureza. Os conflitos no campo frente ao avanço do agronegócio. A violência do Estado por meio da militarização, da criminalização das Lutas Sociais e da ampliação das desigualdades sociais. A belicosidade dos Estados e a crise humanitária no mundo. O avanço do conservadorismo. O golpe institucional e a dissolução dos direitos sociais no Brasil e na América Latina. Os conflitos socioespaciais em curso no século XXI impõem à ciência geográfica brasileira refletir o pensar e fazer geografia, assumindo o compromisso de analisar a realidade em movimento e atuar frente aos desafios que emergem da Nova Geopolítica Mundial.

O XIX ENG terá a seguinte programação:

Atenção: o Encontro Nacional de Geógrafos de João Pessoa teve a data alterada

Acesse a 1ª circular do XIX Encontro Nacional de Geógrafos.

 

 

Introdução às bases de dados RAIS e CAGED: aplicação para pesquisa em Geografia

Na próxima sexta-feira, dia 14 de julho, receberemos na Unicamp o doutor em Geografia Rodolfo Finatti — autor da tese “Aglomerações industriais no Brasil: uso do território e transformações recente”, defendida em 2016 no Programa de Pós-Graduação em Geografia da USP — para um curso versando sobre as bases de dados RAIS e CAGED e sua aplicação nas pesquisas geográficas.
Os participantes aprenderão a utilizar os dados do Programa de Disseminação de Estatísticas do Trabalho do Ministério do Trabalho e Emprego, por meio da ferramenta DardoWeb, e poderão aplicar esse conhecimento em suas próprias pesquisas.

Solicita-se uma contribuição de R$ 10 (dez reais).

Quando? 14 de julho, sexta-feira manhã e tarde
Onde? Instituto de Geociências da Unicamp (sala a confirmar)
Para se inscrever, envie e-mail para secretaria@agbcampinas.com.br com nome completo, para receber informações detalhadas e confirmar a participação.

II Colóquio de Estudos em Geografia da UNESP-RC: Democracia, Direitos Humanos e Movimentos sociais

É com grande satisfação que o Laboratório de Desenvolvimento Territorial – LADETER, Laboratório Interdisciplinar de Pesquisas em Patrimônio – LAPAT, e Grupo de Estudos em História do Pensamento Geográfico – GEHPG, vem convidá-los para prestigiar o II CEGeo – Colóquio de Estudos em Geografia, com a temática “Democracia, Direitos Humanos e Movimentos Sociais no Brasil”, a ser realizado nos dias 29 e 30 de Novembro e 01 de Dezembro do corrente ano, no Salão Nobre “Prof. Dr. Adistão Marcon” do Departamento de Geografia – IGCE / UNESP – Avenida 24A, nº1515, Rio
Claro-SP.

O evento em sua segunda edição pretende realizar um debate tendo em vista a atual conjuntura nacional, seja no âmbito polí­tico, cultural, social e econômico, sobretudo no que concerne aos retrocessos do regime democrático brasileiro. Nesse sentido, fazemos alguns destaques: a luta polí­tica pela democracia, as dificuldades na garantia dos direitos humanos, o fortalecimento pela legitimidade dos movimentos sociais do campo, da cidade e da educação. Esses pilares fazem parte tanto de um debate contemporâneo, como carregam em sua historicidade momentos de avanços e retrocessos,
sobretudo, no que tange a luta pelas liberdades democráticas, especialmente numa democracia jovem como a nossa.

Demais Informações:
As inscrições são gratuitas, podem ser realizadas no link: https://goo.gl/forms/GBtsWRmgddIT50lw1, ou no dia do evento. A certificação será concedida aos participantes que frequentarem até 50% do evento.

Dúvidas: cegeo.evento@gmail.com
Evento no facebook: https://www.facebook.com/events/1602445503388905/

folder

Vem aí o 5º Encontro Regional de Ensino de Geografia

O 5º Encontro Regional de Ensino de Geografia, organizado pela AGB-Campinas e pelo Ateliê de Pesquisas e Práticas em Ensino de Geografia, será realizado na Universidade Estadual de Campinas entre 20 e 22 de outubro de 2016, discutindo o tema As políticas curriculares e o ensino de Geografia.

Informações sobre a programação, inscrições e submissão estão disponíveis na 1ª circular!

XVIII Encontro Nacional de Geógrafos – ENG 2016

XVIII Encontro Nacional de Geógrafos
24 a 30 de Julho de 2016 – São Luís/MA
A construção do Brasil: geografia, ação política e democracia

PRIMEIRA CIRCULAR

1. LOCAL, DATA E TEMA DO XVIII ENCONTRO NACIONAL DE GEÓGRAFOS

O XVIII ENG será realizado em São Luís – MA, na Universidade Federal do Maranhão (UFMA) e na Universidade Estadual do Maranhão (UEMA), de 24 a 30 de Julho de 2016, e terá como tema “A construção do Brasil: geografia, ação política e democracia”.

A construção do Brasil é um tema de extrema relevância para a compreensão da disputa pelo exercício do poder que se dá de forma profundamente desigual entre os mais diversos grupos sociais. Ao mesmo tempo esse processo condiciona as ações sociais presentes e a efetivação de projetos emancipatórios. Tal construção marca o país com profundas
disparidades sociais e regionais e, até o presente momento histórico, não permite a realização de uma democracia plena, tampouco possibilita afirmar uma realidade concreta que garanta a reprodução social dos sujeitos. Em decorrência disso, a cidade e o campo são concebidos e projetados para interditar as coexistências. Em uma conjuntura na qual os poucos avanços sociais e territoriais conquistados historicamente são colocados em causa, a AGB objetiva problematizar os nexos entre a ciência geográfica, a ação política transformadora e o exercício democrático e conclama todas(os) as(os) geógrafas(os) a pensar o Brasil que queremos.

2. CHAMADA PARA A ELABORAÇÃO IDENTIDADE GRÁFICA DO XVIII ENG

Na 122ª Reunião de Gestão Coletiva (RGC) ocorrida em Catalão/GO, entre os dias 05 e 07 de Junho de 2015, definiu-se que o envio de propostas para a identidade gráfica do evento e a sua definição obedecerão aos seguintes procedimentos:

a) As propostas deverão ser enviadas para a lista InterSeções e para o e-mail <nacional@agb.org.br> até o dia 03/09/2015, com o Assunto ARTE DO XVIII ENG;
b) O arquivo deverá seguir as orientações: formato JPEG, com tamanho máximo de 5 Mb (cinco Megabyte);
c) É determinante que as propostas de identidade gráfica (arte do evento) tenham como referência o tema do XVIII ENG;
d) Na 123ª RGC, entre os dias 04 e 08/09, em São Luís/MA, as artes serão avaliadas e selecionadas para irem para a página da AGB, na qual serão submetidas à consulta pública (votação online);
e) A escolha definitiva da Arte do ENG 2016 ocorrerá durante o VIII Fala professor. O processo de votação continuará durante o evento, podendo votar todos os participantes credenciados para a Plenária Final;

Para realizar a inscrição na lista Interseções é necessário que o interessado credencie o seu endereço eletrônico a partir do envio de uma solicitação para: <agbintersecoes-subscribe@yahoogrupos.com.br>.

São Paulo, 11 de Junho de 2015.
AGB – Diretoria Executiva Nacional – 2014/2016

Baixe a circular em PDF.

Debate: Regionalização e planejamento

A AGB-Campinas realizará na próxima terça-feira, dia 24 de março, no Plenário da Câmara Municipal de Campinas, um debate sobre Regionalização e Planejamento. A atividade faz parte da agenda de atividades do Coletivo pela Reforma Urbana de Campinas sobre a Revisão do Plano Diretor de Campinas 2016.

Divulgue e compareça!

Esta atividade conta com a participação do mandato do vereador Pedro Tourinho, e apoio do Fórum Cidadão pelo Plano Diretor Participativo e Campinas Que Queremos.

Anais do 4º Encontro de Ensino de Geografia

Em setembro, mais de cem pessoas participaram do 4º Encontro Regional de Ensino de Geografia de Campinas, que teve como tema a “Formação de professores de Geografia: políticas e práticas curriculares”. Os Anais estão disponíveis para download (basta clicar na imagem). Em 724 páginas, estão os 58 trabalhos publicados na íntegra, além de demais informações sobre este evento.

Boa leitura!

Anais

Certificados disponíveis

Estão disponíveis os certificados de presença na aula magna do curso de Geografia da Unicamp e no minicurso “Cartografia e lutas sociais”, realizados respectivamente em 12 e 13 de março de 2014, ambos proferidos pelo professor Renato Emerson dos Santos, presidente da AGB.

Caso tenha algum problema, envie e-mail para campinas@agb.org.br com o assunto “Certificados”. Agradecemos a presença de tod@s!

Aula magna

Aline Jane Oliveira Campos
Amanda Martinez Gomes
Anderson Cordeiro Sabino
Anderson Sirini dos Santos
Anniele Sarah Ferreira de Freitas
Antonio Carlos Vitte
Arthur César Viana Branco
Beatriz de Aragão Sadalla
Bianca Stella Squaris de Carvalho
Bruno Fernandes Souza
Bruno Mercante Lourenço
Bryan Marques Moraes
Caio Gusmão Ferrer de Almeida
Carolina Leardine Zechinatto
Cassiano Henrique Santana
Cauã Guilherme Miranda
Cesar Henrique Farias
Charles Serra Tabarin
Cintia Dias Coelho
Cintia dos Santos Pereira da Silva
Ciro Ruiz Vicente da Silva
Clayton Henrique Alves da Silva
Cristina Batista de Castro Ribeiro
Damião Silva Santos
Danilo dos Santos Depieri da Rocha
Diego Luciano do Nascimento
Douglas Henrique da Silva
Eduardo Bernardo dos Santos
Elaine dos Santos Soares
Fabio Henrique Nunes Mota
Fatima Juliana Calegari Marsula
Fernanda Cristina Carvalho Milani
Fernando Martins Parré
Frederico Zilioti Amorim
Gabriel Corrêa Lima
Gabriel Francisco da Silva Todaka
Gabriel Luis de Oliveira
Gabriela Fernandes Jordão
Gabriela Marques Boragina Denadai
Gabriela Pires Cury
Giovanna Ermani
Giovanna Naves Beraldo
Gisele Cristina Cavalcante
Guilherme Barroso Crispim
Guilherme Leite Sousa
Guilherme Rodrigues Ramos
Guilherme Victor Montenegro
Gustavo Henrique Beraldino Teramatsu
Henrique Botin Moraes
Iago Vernek Fernandes
Ingrid Tayne Silva Gomes dos Santos
Isabela Corrêa Fajardo
Ismane Desrosiers
João Marcos Reis dos Santos
João Vitor Leme
Jonathas José Paghi Magalhães
July Ane Vilella
Kaique das Chagas Silva
Kátia Amorim Capuchinho
Laura Butti do Valle
Laura De Bona
Lindomar de Oliveira Duarte
Lisie Tatiane de Lima Wenceslau
Lucas de Moraes Guide
Lucas de Toledo Amici
Lucas Magdalena Uliana
Lucas Maia de Oliveira
Lucas Peters Cremasco Gonçalves
Luciano Pereira Duarte Silva
Lucinei da Silva Cordeiro
Luis Felipe Catusso Valle
Maico Diego Machado
Marcel Petrocino Esteves
Marcela Barone
Márcio Antonio Cataia
Marcos Henrique dos Reys Lourenço
Mariana Arruda Leite
Mariana Lima Loterio
Mateus Luis Pezote Padovani
Maurício Compiani
Nádia Malena Moda
Natália Goldschmidt Guidetti
Paulo Eduardo Schink Gonçalves
Rafael Cesar Rigamonte
Rafael de Sá
Rafael Lima Grigoleto
Rafael Straforini
Raphael Curioso Lima Silva
Regina Célia de Oliveira
Renato Pattaro Pereira
Roberto Greco
Ronaldo da Silva Monteiro
Simone Bandeira de Souza
Stéphanie Rodrigues Panutto
Talita Rodrigues Stefanelli
Thiago Corrêa Zanini
Valderson Salomão da Silva
Vicente Eudes Lemos Alves
Victor Ravaglioli Santana
Victor Ribeiro Lopes
Victor Vinicius Lorin
Vitor Amaral Ebert

Minicurso

Alexandre Lippaus Rocha
Aline Jane Oliveira Campos
Anderson Cordeiro Sabino
Caroline Cardoso
César Henrique Farias
Clayton Henrique Alves da Silva
Danilo dos Santos Depieri da Rocha
Eduardo Bernardo dos Santos
Fernanda Cristina Carvalho Milani
Gabrel Luis de Oliveira
Gabriel Francisco da Silva Todaka
Gabriela Fernandes Jordão
Giovanna Ermani
Guerby Sainte
Gustavo Henrique Beraldino Teramatsu
Hugo Guilherme Cantanhede de Abreu
Iago Vernek Fernandes
Isabela Corrêa Fajardo
July Ane Vilella
Kaique das Chagas Silva
Laura Butti do Valle
Lucas de Moraes Guide
Lucas Milano Godoy
Lucas Peters Cremasco Gonçalves
Lucinei da Silva Cordeiro
Maico Diego Machado
Marcos Henrique dos Reys Lourenço
Maria Neide Rodriguez
Mariana da Silva Lima
Mariana Lima Loterio
Paloma Cristina Costa Guitarrara Furtado
Rafael de Sá
Taciana Arroio Alvarenga
Thiago Corrêa Zanini

VII Congresso Brasileiro de Geógrafos: garanta sua participação!

Estão abertas inscrições para o VII Congresso Brasileiro de Geógrafos, que ocorrerá entre 10 e 16 de agosto de 2014 em Vitória (ES). Os  preços para as inscrições são R$ 80 para associados estudantes de graduação e professores da educação básica e R$ 160 para demais associados. Os valores são válidos até o dia 20 de abril.

Lembramos que o prazo para envio de resumos para os Espaços de Diálogos e Práticas se encerra no dia 7 de abril. Solicitamos que todos os interessados realizem suas inscrições e submetam suas contribuições até esta data.

Importante! Para realizar a inscrição no site, é necessário ter um número de talonário válido para o ano de 2014. As associações na Seção Local de Campinas podem ser feitas a qualquer momento com o tesoureiro Luciano Duarte e com o segundo secretário Gustavo Teramatsu (R$30 para estudantes de graduação e pós e professores da rede básica e R$60 para demais associados). Maiores informações podem ser obtidas por e-mail (campinas@agb.org.br) ou pela nossa página do Facebook.

Renato Emerson fará a aula magna da Geografia da Unicamp

O Prof. Dr. Renato Emerson dos Santos (FFP-UERJ), presidente da AGB-Nacional, fará a aula magna do curso de Geografia da Unicamp, com o tema “Relações raciais e Geografia: uma leitura contemporânea”. O encontro acontecerá na noite do dia 12 de março, quarta, a partir das 19h30, na sala MD-02 (prédio da Engenharia Básica, Rua João Pandiá Calógeras, 148, na Unicamp). A AGB-Campinas, junto com o Instituto de Geociências da Unicamp e os estudantes de Geografia, apoia a realização do evento e convida todos a participar.

No dia 13, quinta, às 14h, no mesmo local, Renato Emerson ministrará o minicurso “Cartografias e lutas sociais”. A atividade é gratuita.

Nas duas ocasiões, os interessados podem fazer o pagamento da anuidade de 2014 (R$ 30 – estudantes de graduação e pós e professores da rede básica e R$ 60 – profissionais e docentes de IES).

Manifesto contra a “política habitacional” adotada no Município de Campinas-SP

O Plano Diretor de Campinas, elaborado em 2006, colocou a questão da redução das desigualdades territoriais como objetivo para garantir o Direito à Cidade. É um avanço institucional que merece ser aperfeiçoado e efetivamente aplicado.

Todavia, nos últimos anos, a “política habitacional” de Campinas vem privilegiando o capital imobiliário, permitindo que prevaleça a especulação e a exclusão socioespacial no Município.

Desde a posse do Prefeito Jonas Donizette, ocorrida em janeiro de 2013, remoções forçadas têm sido realizadas pela Prefeitura. O Prefeito vem se omitindo de sua responsabilidade pública de aplicar as leis que garantam aos cidadãos, principalmente aos socialmente mais vulneráveis, os Direitos Humanos, o Direito à Cidade e à Habitação.

Entre as remoções já realizadas em Campinas em 2013, estão as 100 famílias que habitavam uma área particular no Jardim do Lago 2. Para impedir a reintegração de posse, ocorrida na manhã de 25 de julho, os moradores da área fizeram uma barreira para bloquear a entrada de um trator da Prefeitura. Antes disso, os moradores cobraram a apresentação de liminar concedida pela Justiça para a remoção das famílias.

A área particular havia sido ocupada pela primeira vez no dia 14 de junho do mesmo ano, quando as famílias chegaram ao local e ergueram 59 moradias improvisadas.

No dia 16 de junho, foram removidas essas moradias e as demarcações dos lotes feitas pelas famílias. No dia 18, foram distribuídas senhas às famílias para efetuar o cadastro junto à Companhia de Habitação de Campinas (COHAB), procedimento que esgota a aplicação da “política” habitacional de interesse social local. No dia 20 de julho, as mesmas famílias voltaram a ocupar a área no Jardim do Lago 2. Mas, no dia 25 de julho foram novamente removidas do local. Neste dia, os moradores não puderam nem mesmo desmontar os barracos, os quais foram destruídos pelas máquinas.

Além disso, a Prefeitura de Campinas começou a utilizar os reeducandos do sistema prisional nas remoções forçadas, expondo-os a conflitos e a constrangimentos, violando, dessa forma, os Direitos Humanos.

Há 20 anos a área do Jardim do Lago 2 está desocupada e, sobre ela, poderiam ser aplicados os instrumentos previstos no Estatuto das Cidades para destiná-la à habitação de interesse social. Prática perpetrada pela Concessionária Aeroportos Brasil Viracopos S/A, Polícia Federal, Polícia Militar (47ª Cia.), Construtora Constran, Embrase, Infraero, levada a efeito no dia 25 de fevereiro, esteve em total desacordo com os princípios constitucionais, do Código Civil, Código Penal, do Estatuto da Criança e do Adolescente, do Estatuto do Idoso e também dos tratados internacionais dos quais o Estado Democrático de Direito do Brasil é signatário.

Por volta de 6h30 do dia 25 as forças repressivas do aparelho de estado começaram a se postar nos acessos ao conjunto de residências no Bairro Jardim Cidade Singer, região do Campo Belo.

Cerca de 150 famílias, moradoras há mais de 6 anos nesse loteamento, foram surpreendidos por uma “operação” truculenta e ilegal comandada pela Concessionária Aeroportos Brasil Viracopos S/A.

Os atos praticados não foram sequer precedidos do acompanhamento do Conselho de Direitos Humanos, representantes da Prefeitura, Câmara Municipal, Ordem dos Advogados do Brasil, Defensoria Pública, Conselho Tutelar e entre tantos outros.
Iniciaram, sem aviso prévio e sem mandato judicial, um cerco às moradias e às pessoas residentes no bairro e, com quatro tratores de grande porte da Construtora Constran, a destruição das casas. Não houve, até o momento, nenhum tipo de respaldo, auxílio, ajuda ou indenização às pessoas afetadas.

Entre as remoções previstas, estão cerca de 300 famílias que vivem em terreno no bairro Cidade Jardim em Campinas. A ocupação vem sendo organizada pelo Movimento dos Trabalhadores Desempregados (MTD) desde 2012 em área que pertence ao Governo Federal (à Rede Ferroviária Federal S.A.). No local, funcionava o antigo Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) que, depois de desativado, passou a ser usado como uma “cracolândia”.

Mesmo a área sendo de propriedade e domínio da Federal, a Prefeitura conseguiu uma liminar da Justiça Estadual e está preparando, junto à Polícia Militar, a remoção das famílias.

A reivindicação dos moradores é que sejam atendidos pelos programas de moradia, como o “Minha Casa, Minha Vida” do Governo Federal. Eles se dispõem a dialogar sobre a possibilidade de ir para outra área. Mas, a Prefeitura vem alegando que não há áreas disponíveis na cidade para a construção de moradias populares.

No entanto, terrenos da COHAB têm sido colocados à venda sem atender ao déficit habitacional de interesse social da cidade, conforme prevê o Plano Municipal de Habitação de Interesse Social.

Outras remoções previstas são as dos moradores do Recanto dos Pássaros e do Novo Real Parque (Quadras F e G). O argumento para a remoção é o de preservação da Mata Santa Genebra. Todavia, este é questionável devido à presença de condomínios próximos à Mata. Os condomínios, em nenhum momento, foram notificados sobre suas ilegalidades.

Os moradores do Recanto dos Pássaros e do Novo Real Parque não querem ser removidos de forma abrupta, pois há 18 anos vivem no local. É sabido que a especulação imobiliária em Barão Geraldo cresce ferozmente e que toda a região próxima à Mata Santa Genebra vem sendo cobiçada. Retirar os mais “pobres” dali, certamente, vai valorizar ainda mais toda a região.

Há também uma remoção do Governo do Estado prevista para Campinas: uma área localizada nas cercanias da Vila Brandina e que integra o corredor socioambiental Mato Dentro. O Governo do Estado de São Paulo aprovou a alienação da área pública, a qual possui quatro nascentes que abastecem Campinas (Projeto de Lei 650/2012).

Há 12 anos a área verde, com extensão de 74 mil metros quadrados, onde se situam nascentes da microbacia do Anhumas, está sendo preservada por meio de projetos socioambientais com a comunidade da Vila Brandina.

Outro foco de remoções é a região do Aeroporto Internacional de Viracopos, em que existem 19 ocupações desde a década de 1980. Mesmo existindo diversas áreas desocupadas em volta do Aeroporto, em seu projeto de ampliação está prevista a remoção dessas ocupações.

A resistência popular às remoções prevista foi forte em 2007, o que levou o Presidente Lula a alterar o projeto de ampliação original e buscar evitar o conflito com os moradores. Agora, com a privatização do Aeroporto, está sendo proposta pela Prefeitura a criação de uma Macrozona Comercial e Industrial na região, o que levará à “higienização socioespacial”.

Além das remoções forçadas, há que se destacar as deficiências na implantação dos projetos habitacionais financiados pelo Programa “Minha Casa, Minha Vida” em Campinas. Palco de sorteios, inaugurações e entregas solenes, sempre com muitos discursos e promessas das autoridades presentes, o Residencial Jardim Bassoli, um conjunto com 19 torres de 5 pavimentos e 2.380 apartamentos na região do Campo Grande, está abandonado à própria sorte. Destinado a famílias com renda de até três salários mínimos, foi o primeiro construído na cidade pelo Programa. Entre investimentos federais e contrapartidas municipais, o conjunto custou mais de R$ 120 milhões. Cada família desembolsa, mensalmente, parcelas que variam de R$ 50 a R$ 160, com contratos de duração de 10 anos.

Com obras iniciadas em janeiro de 2010, a entrega dos apartamentos foi iniciada em abril de 2011, pelo então Prefeito Dr. Hélio, e teve suas últimas unidades entregues pelo Prefeito Jonas Donizete em maio deste ano.

No local onde vivem mais de 10.000 pessoas, em sua imensa maiorias crianças, não há escolas, creches ou posto de saúde.

Outra reclamação dos moradores é a falta de segurança. O local também não tem áreas públicas de lazer, como praças ou parques, contando apenas com pequenos parquinhos instalados na área interna dos conjuntos, visivelmente subdimensionados para a quantidade de moradores.
A única exceção da presença do Poder Público no local é a fiscalização que, de forma ostensiva, tem atuado na região. Os fiscais da Serviços Técnicos Gerais de Campinas (a SETEC, uma autarquia municipal) já autuaram e deram prazo para retirada do comércio informal instalado no entorno do empreendimento. Isso ocorre porque o Residencial foi projetado sem área para comércio.

Por isso, nós signatários reivindicamos:

1. A regularização fundiária no Município: É preciso utilizar em larga escala instrumentos de regularização fundiária de interesse social, conforme prevê a Lei 11.977/09, que dispõe sobre o Programa “Minha Casa, Minha Vida” e sobre a regularização fundiária de assentamentos localizados em áreas urbanas, com especial destaque para a legitimação de posse e para a demarcação urbanística, revogando as leis municipais de regularização (que estabelecem prazos de corte para o atendimento das famílias, em desacordo com o que prevê a legislação federal).

2. A aplicação do IPTU Progressivo no Tempo: É necessário que se aplique o IPTU Progressivo no Tempo em todas as regiões da cidade de Campinas, nas áreas com uso urbano que ainda estão desabitadas e que possam ser identificadas como vazios urbanos. Além de agravá-las como ZEIS, também deve incidir sobre essas áreas o direito de preempção.

3. A aprovação de novos projetos imobiliários vinculados à habitação de interesse social (HIS): Para cada novo empreendimento imobiliário ou comercial, o empreendedor deverá, além de cumprir as obrigações próprias do zoneamento a que estão sujeitos, prover a construção do equivalente a 20% da área para projetos de habitação de interesse social (renda de zero a três salários) no próprio empreendimento, em outra área no mesmo distrito ou, ainda, com destinação de recursos ao fundo a partir critérios definidos no Conselho Municipal de Habitação, no caso das duas hipóteses anteriores não serem possíveis.
As habitações de interesse social devem estar vinculadas à estratégia de redução do déficit conforme a composição de renda dos beneficiários. Sabe-se que 90% do déficit por novas moradias está concentrado na faixa de renda que vai de zero a três salários mínimos.

4. A revisão dos conceitos de HIS e de mercado popular: O conceito de HIS deve estar vinculado à estratégia de redução do déficit conforme sua composição de renda. Hoje, 90% do déficit por novas moradias está concentrado na faixa de renda que vai de zero a três salários mínimos. Portanto, HIS deve ser entendida como aquela destinada às famílias nesta faixa de renda.
Para além de vincular o Programa “Minha Casa, Minha Vida” à faixa de renda de zero a três salários mínimos, é necessário também criar um modo de fiscalização da forma de comercialização das futuras unidades, que incorpore a obrigatoriedade de definir a demanda antes da expedição do alvará de ocupação (“habite-se”) e conte, inclusive, com parecer do agente financiador, quando for o caso.

5. A destinação das terras públicas a programas habitacionais: Deve-se revogar os editais em andamento acerca da alienação de terras públicas, pertencentes à COHAB principalmente, a fim de que elas sejam destinadas a projetos habitacionais como loteamentos urbanizados ou projetos cooperativos.

6. A priorização dos recursos do FUNDAP para habitação e regularização fundiária: Os recursos do FUNDAP devem ser utilizados prioritariamente para produção habitacional e regularização fundiária de interesse social, estimulando a consolidação da Política Fundiária, inclusive pela criação de um Banco de Terras Públicas para mitigação de eventuais remoções e para manutenção da população de menor renda na mesma região dos grandes empreendimentos.

Fontes documentais:
Jardim do Lago II:
Fonte: http://noticias.band.uol.com.br/cidades/campinas/noticia/?id=100000617452
Vídeo: http://www.youtube.com/watch?v=lCAmuNQAO6w
Cidade Singer (Campo Belo):
Vídeo: http://www.youtube.com/watch?v=MsztzrjUfA8
Cidade Jardim (Ocupação Joana d’Arc):
Fonte: http://www.radioagencianp.com.br/11617
Vídeo: http://www.youtube.com/watch?v=fzKCSq4BGjo
Recanto dos Pássaros e Novo Real Parque:
Vídeo: http://www.youtube.com/watch?v=qBoEnNe_eH8
Jardim Bassoli:
Vídeo: http://globotv.globo.com/eptv-sp/jornal-da-eptv-1a-edicaocampinaspiracicaba/v/moradores-do-jardim-bassoli-reclamam-de-apartamentosentregues-em-campinas/2332726/

Campinas, 26 de setembro de 2013.

Signatários:

PROESP (ASSOCIAÇÃO PROTETORA DA DIVERSIDADE DAS ESPÉCIES)
ASSOCIAÇÃO DO JARDIM DOM GILBERTO E JARDIM PUCCAMP
ASSOCIAÇÃO DE MORADORES DO JARDIM CAMPITUBA I
ASSOCIAÇÃO DE MORADORES DO BAIRRO JARDIM COLÚMBIA
ACIAV (ASSOCIAÇÃO COMERCIAL E INDUSTRIAL DO ENTORNO DO AEROPORTO DE VIRACOPOS)
ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DOS BAIRROS CIDADE SINGER I E SÃOJOÃO
ASSOCIAÇÃO DE MORADORES DO NÚCLEO RESIDENCIAL CIDADE SINGER
MOVIMENTO DOS TRABALHADORES DESEMPREGADOS (MTD)
ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DO CAMPO BELO II E VILA DIVA
ASSOCIAÇÃO DA COMUNA URBANA JOANA D’ARC
ASSOCIAÇÃO DOS GEÓGRAFOS DE CAMPINAS (AGB – SEÇÃO CAMPINAS)
SOCIEDADE AMIGOS DO BAIRRO SATÉLITE IRIS IV (SAB IRIS IV)

(Aprovado, como moção, na Conferência Estadual da Cidade de São Paulo)

2ª Circular – III Encontro Regional de Ensino de Geografia

III ENCONTRO REGIONAL DE ENSINO DE GEOGRAFIA:

Práticas Educativas em Ensino de Geografia: (re)criando os documentos curriculares

 

A DATA DO EVENTO MUDOU PARA 16/08 e 17/08 de 2013

http://agbcampinas.com.br/encontroensino

 

PROGRAMAÇÃO

Horários/datas

16/08/2013

(sexta-feira)

17/08/2013

(sábado)

Manhã

8:30 – 12:00

Credenciamento

08:30 – 9:30h

Mesa redonda 2

(8h:30min – 10h:00min)

Metodologias ativas no ensino de geografia

Conferência de Abertura

Profa. Dra. Sonia Castellar

10:00 – 12:00

Mesa redonda 3

(10h:30min – 12h:30min)

As pesquisas no ensino de geografia: relação entre escola e universidade

Tarde

14:00 – 17:30

Oficinas

Apresentações de práticas educativas

Encerramento

Noite

19:00 – 22:00

Mesa redonda 1:

19h:

Documentos Curriculares de Geografia e as práticas docentes

_________

SUBMISSÃO E APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS (Práticas Educativas):

As apresentações das práticas educativas ocorrerão na tarde de sábado, 17 de agosto, das 14h às 17h, nas salas do prédio da Engenharia Básica/IG. O objetivo é que haja a exposição e o intercâmbio de práticas educativas de Geografia pelos professores e estudantes de licenciaturas, permitindo a troca de resultados, experiências e indagações com outros colegas.

A apresentação dos trabalhos será exclusivamente de oral e os autores poderão utilizar slides (Power point), posteres e lousa como recursos didáticos, ou simplesmente um diálogo direto. As apresentações não devem exceder 15 minutos. Os trabalhos apresentados serão publicados nos Anais do 3º Encontro Regional de Ensino de Geografia, que serão disponibilizados online no site.

Os trabalhos devem ser submetidos pelo site do evento
http://agbcampinas.com.br/encontroensino/ até 23h e 59min. do dia 30/06/2013

 

FORMATAÇÃO

Total de páginas: de 4 a 7 páginas (incluindo bibliografia);

Texto: fonte Times New Roman; tamanho 12; espaçamento entre linhas 1,5; 2,5 cm em todas as margens;

Identificação: título (centralizado, caixa alta e em negrito); Identificação do autor (nome e e-mail abaixo do título, alinhados à direita; demais identificações como local de formação, local de trabalho e identificação da bolsa de fomento (caso bolsista) devem ser apresentadas em nota de rodapé;

Seções do texto: em negrito (alinhado à esquerda)

PS: No site http://agbcampinas.com.br/encontroensino/praticas/ está disponível o arquivo já no formato do evento!

 

CALENDÁRIO

Submissão: até as 23h59 do dia 30/06/2013

Período de avaliação dos trabalhos: de 01/07/2013 a 31/07/2013

Divulgação dos trabalhos aprovados: | 01/08/2013

 

INSCRIÇÕES

As inscrições devem ser feitas previamente no site do evento. A confirmação da inscrição se dará somente por meio da confirmação do pagamento de taxa de inscrição.

Importante: A inscrição no evento garante o direito à associação na AGB – Seção Campinas no ano de 2013, que será efetivada durante o credenciamento do evento.

 

VALORES

Categoria

Inscrições
confirmadas
até 9/08

Inscrições
confirmadas
após 9/8

Estudantes e professores das redes pública e privada da Educação Básica

R$30,00

R$50,00

Professores universitários

R$60,00

 

ORGANIZAÇÃO:

AGB-Campinas, Instituto de Geociências, Departamento de Geografia – UNICAMP, Centro Acadêmico dos Estudantes de Geografia da UNICAMP – CACT e PIBID-Geografia

III Encontro Regional de Ensino de Geografia

14 a 16 de agosto de 2013 16 e 17 de agosto de 2013
III ENCONTRO REGIONAL DE ENSINO DE GEOGRAFIA:
Práticas Educativas em Ensino de Geografia:
 (re)criando os documentos curriculares

Veja informações completas sobre o evento (1ª CIRCULAR)

Após doze anos de interrupção a AGB-Campinas, o Instituto de Geociências/Departamento de Geografia e o Centro Acadêmico dos Estudantes de Geografia da UNICAMP retomam a realização dos Encontros Regionais de Ensino de Geografia. Ao longo desse tempo (2001-2013), a Educação e a Geografia Escolar vem passando por inúmeras transformações, resultado tanto das políticas educacionais e curriculares implementadas quanto do uso cada vez mais frequente das Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação (TEDIC) em sala de aula. Refletir sobre os impactos de tais transformações nas práticas pedagógicas no ensino de geografia na Educação Básica é o principal objetivo do III Encontro Regional de Ensino de Geografia – Campinas.

Submissão e apresentação de trabalhos:

Os trabalhos serão apresentados oralmente, conforme a forma de submissão especificada abaixo:
· trabalhos – 4 a 7 páginas (apresentação oral)

Datas de submissão de trabalhos:
· Submissão: até 23h:59min do dia 14/07/2013
· Período de Avaliação dos trabalhos: de 01/07/2013 a 04/08/2013
· Divulgação dos trabalhos aprovados: 05/08/2013

Valores para inscrição no evento:
· Alunos de graduação e Professores da rede pública de ensino = R$30,00 (até 09/08) e R$ 50,00 (após 09/08)
· Professores universitários = R$60,00

 

Para mais informações http://agbcampinas.com.br/encontroensino/

Os anais do evento serão disponibilizados no site do evento e também entregues em versão digital aos participantes inscritos.

Palestra com María Laura Silveira na Unicamp – comemoração do Dia do Geógrafo

ATENÇÃO: Novo local, mesmo horário: conferência com María Laura Silveira no AUDITÓRIO DO IEL, hoje, às 20h!

María Laura Silveira, professora doutora em geografia da Universidade de Buenos Aires (Argentina), virá a Campinas para palestrar no Dia do Geógrafo, na próxima terça-feira, 29 de maio.

 

María Laura tratará do tema GEOGRAFIA E MUNDO CONTEMPORÂNEO: PENSANDO AS PERGUNTAS SIGNIFICATIVAS.

A palestra ocorrerá no Auditório do IEL, às 20h da terça-feira (29/05).

* * *

O Dia do Geógrafo também contará com atividades pela manhã e à tarde:

MANHÃ (9h – 12h). Tema: “Geógrafo: as diferentes áreas de atuação”
  • Kátia Canil – IPT – São Paulo
  • José Donizete Cazzolato – Centro Brasileiro de Análise e Planejamento
  • Prof. Antônio Cavenaghi – Professor do Ensino Médio e de Cursinho
TARDE (14h – 17h). Tema: “Atuais desafios do bacharel e do licenciado em Geografia”
  • Profa. Simone Scifoni – USP/CREA
  • Prof. José Carlos – Rede de ensino – Campinas
  • Prof. Lindon Fonseca Matias – IG/Unicamp

Local dessas atividades: sala MD 02, no prédio da Engenharia Básica (IG/Unicamp).

As atividades são realizadas em parceria com o Departamento de Geografia – DGEO/Unicamp, com a Pós-graduação do IG/Unicamp e com o Centro Acadêmico de Geografia e Ciências da Terra (CACT).

Comemorações do Dia do Geógrafo

https://www.facebook.com/events/149367518530277/

A AGB – Associação de Geógrafos Brasileiros, seção Campinas, em parceria com o Departameno de Geografia – DGEO/Unicamp, Pós-graduação do IG e Centro Acadêmico de Ciências da Terra e Geografia, vem através desta convidar a todos para da comemoração ao Dia do Geógrafo que realizar-se- á no dia 29 de maio de 2012, na MD 02, no prédio da EB/Unicamp.

PROGRAMAÇÃO

MANHÃ (9h – 12h). Tema: “Geógrafo: as diferentes áreas de atuação”

* Kátia Canil – IPT
* José Donizete Cazzolato – Centro Brasileiro de Análise e Planejamento
* Prof. Antônio Cavenaghi – Professor do Ensino Médio e Cursinho

TARDE (14h – 17h). Tema: “Atuais desafios do bacharel e licenciado em Geografia”

* Profa. Simone Scifoni – USP/CREA
* Prof. José Carlos – Rede de Ensino
* Prfo. Lindon Fonseca – Unicamp

Atualização [25/05]
NOITE (20h-22h30).