Mario de Biasi (1937—2022)

O querido Professor Mário de Biasi faleceu ontem, 25/01/22, aos 85 anos. 

Grande tristeza no Departamento de Geografia. Pesar ampliado pela circunstância do luto: a pandemia dificulta acompanhar o rito de passagem. Melancolia nos aniversários da cidade de São Paulo e da criação da USP.

Sua participação no curso de Geografia/USP remonta à década de 1960. Formado em Geografia em 1962, ingressou no quadro docente em 1964 e defendeu tese de doutorado em 1972, sob orientação do Professor André Libault. 

Era a referência de Cartografia Sistemática da unidade. Dentre suas contribuições, destacam-se a discussão sobre as cartas de declividade/clinográfica e a formação de alunos. Orientou 14 mestrados e 14 doutorados e participou de 63 bancas de mestrado e 51 de doutorado. Usamos, até hoje, a proposta de caderno de exercícios elaborada por ele na disciplina de Elementos de Cartografia Sistemática.

Viveu conforme suas convicções. Seu conhecimento sobre mapas e levantamentos topográficos era muito grande. Modesto, se considerava um professor de cartografia analógica, mas sempre incentivou incorporar a produção, atualização e disseminação dos mapas e cartas topográficas digitais. Creio, no entanto, que sabia que o meio nunca seria mais importante do que o seu objeto.

Minhas lembranças do Professor de Biasi na graduação, na pós-graduação e como colega de departamento são ótimas. Era sempre atencioso e solícito, ainda que exigente. Pragmático e sistemático, tal como sua disciplina da graduação. Era são-paulino convicto e possuía uma memória inigualável. Lembrava de tudo: características, datas e sobrenomes. Recebíamos, professores e funcionários, gentis ligações telefônicas nos nossos aniversários. 

E foi essa marcante característica pessoal do professor de Biasi que acabou por me reconfortar. Por associação, lembrei da frase do sociólogo Herbert de Souza (Betinho): “Quem fica na memória de alguém não morre”.

Alfredo Pereira de Queiroz Filho


O professor Mario De Biasi teve um papel muito importante na Cartografia e contribuiu ativamente na formação de gerações de geógrafos, que atuam por todo o país. Era conhecido por seu jeito durão, mas tinha um grande coração e era muito atencioso com quem convivia. Tinha uma excelente memória e parabenizava todos no aniversário, muito antes dos lembretes das redes sociais. Sempre incentivou e encorajou alunos e professores mais novos. Tinha rigor acadêmico, muito compromisso com a universidade e sempre será lembrado pela metodologia de produção das cartas clinográficas, que se tornou um clássico da Cartografia. Lamentamos profundamente a sua perda.

Laboratório de Cartografia e Geoprocessamento da USP


NOTA DE PESAR Recebemos com pesar a notícia do falecimento do professor Mario De Biasi, da Faculdade de Filosofia Letras e Ciências Humanas, Departamento de Geografia, da Universidade de São Paulo (USP). Pesquisador de temáticas como cartografia e sítios urbanos, o professor Mario De Biasi contribuiu de maneira engajada na construção de pesquisas e na formação de geógrafos(as) no Brasil.Lamentamos a perda de tão notório saber e manifestamos solidariedade aos familiares e amigos(as). 25 de janeiro de 2021

ANPEGE – Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Geografia

Gestão 2022-2023 – Outros Outubros Virão

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.