As poesias geográficas de Tiago Marini Ribeiro

por GUSTAVO TERAMATSU / AGB-Campinas

Ainda no credenciamento do 6º Encontro Regional de Ensino de Geografia, que aconteceu em outubro de 2018, um menino jovem, de vinte anos, aproximou-se de mim e pediu licença, meio sem jeito, para vender ali seus livros de poesias. Seu nome era Tiago. Falei, claro, para que ficasse à vontade. Ele então estendeu sua toalha no chão do foyer do Auditório do Instituto de Geociências, que nós esperávamos que recebesse o nome do nosso amigo Fernando, e que estávamos inaugurando naquele dia, ainda de maneira improvisada.

Quem visse até poderia se confundir: ele trazia consigo uma aquelas caixas térmicas de isopor em que se armazenam alimentos, de onde tirou os livretos. Disse algum poeta que poesia é alimento para a alma — e ficou ali conosco durante os dias do evento, alimentando a todos com um pouco de si. Viera a Campinas com a turma da Federal de Alfenas e, com a professora Sandrinha — cuja história tinha sido publicada naquele mês na Folha de S. Paulo –, havia ministrado para os participantes do Encontro uma oficina pedagógica sobre moradia, produção do espaço e ensino de Geografia. Eu gosto desses encontros e ao longo dos anos conheci muita gente assim, nesses nós de trajetórias acadêmicas.

Por fim, fiquei com quatro publicações independentes de sua Editora e Produtora Hinterlândia e gostaria de compartilhar minha experiência com os colegas geógrafos desta associação, ao relê-las recentemente.

Tiago, assim como Michel Henrique Verri (@m_verri_arts), que ilustra as “Poesias Geográficas” e o quadrinho “Boa Noite Tristeza”, é nascido em Vargem Grande do Sul, cidade entre Casa Branca e São João da Boa Vista, perto da divisa de São Paulo com Minas. Foi para Alfenas fazer o curso de Geografia. E é interessante perceber como o olhar de geógrafo aguça a sensibilidade que afloram em suas palavras.

Em “Boa Noite Tristeza”, Tiago trata das inquietações e as dores que às vezes vem nos assombrar, especialmente à noite. E fala da tristeza com quem até dialogamos, sem marcar hora, como já cantou Adoniran em versos de Vinicius de Moraes — “bom dia, tristeza / que tarde, tristeza / você veio hoje me ver” — e que nos faz sentir solitários mesmo com tanta vida e tanto movimento à volta: “(…) Olho para as ruas, reparo nas construções da cidade. Estou parado, enquanto os fluxos visíveis e invisíveis voam a cada segundo que fico estático (…)”.

Já em “Restos”, o autor logo confessa: “Já guardei muita coisa e me guardei demais. (…) Meu grande erro!”. Ao fim de cada poesia, compartilha com os leitores a inspiração, que vem de diversos lugares, para os versos: em um vídeo do YouTube, em um música, em um filme ou ainda em outra poesia — revelá-los é também um convite para degustá-los.

As experiências do curso de Geografia parecem ser a maior inspiração das “Poesias Geográficas”. Os temas vão desde a observação de um rio — “(…) emoções reviraram meus sedimentos (…)” e “o que acontece na montante reflete na jusante”, escreve — até um dia de chuva, em que nos recolhemos em casa — “A chuva vem para pararmos e pensarmos (…)”. Ou ainda a geopolítica energética, “matéria-prima das relações políticas não-estáveis” em um mundo contraditório e globalizado, ou mesmo a relação urbano-rural, igualmente contraditória: “Nós, vítimas da rotina e do asfalto, / pensamos como o capital modifica o espaço?”.

Essa “pegada geográfica” segue em “Do Interior, o Poeta, No Interior, o Poema”, publicado em parceria com a distribuidora DiÁpésão. Aí encontramos Tiago, em suas próprias palavras, “exteriorizando o interior” e “interiorizando o exterior”. O par dialético interior-exterior nos conduz às suas reminiscências da infância: ao bar da família, onde foi criado, à mãe e à avó Alzira, às paixões antigas e aos velhos amigos, que seguiram caminhos diferentes. “O externo e o interno / se chocam e conversam, / Viram versos”.

Quem quiser também adquirir as obras pode entrar em contato com o autor e seguir a página Livro: Do Interior, o Poeta No Interior, o Poema.

1 comentário em “As poesias geográficas de Tiago Marini Ribeiro

  1. Parabéns Tiago…Um grande companheiro que tive prazer de conhecer no curso de Geografia aqui em Alfenas…Belas poesias, belas reflexões….Com certeza o futuro abre um infinito de possibilidades para vc…Abraços…E sucesso….

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *