Nota de pesar | Professor Oswaldo Sevá

DSC00437_edited
Foto: Movimento Xingu Vivo para Sempre

A AGB-Campinas lamenta o passamento de Oswaldo Sevá, ocorrido à meia-noite do último sábado, aos 66 anos. O professor Sevá, livre-docente aposentado da Unicamp, embora fosse engenheiro formado pela Escola Politécnica, aproximou-se ao longo de sua carreira da Geografia e dos geógrafos. Entre 1979 e 1982, interrompendo suas atividades de docência em João Pessoa, na UFPB, ele realizou o doutorado em Paris orientado pelo geógrafo Michel Rochefort (falecido em janeiro último), que lhe acolheu junto com Yves Lacoste. Em sua tese, escreveu sobre aspectos políticos e geográficos dos investimentos internacionais em eletricidade, mineração e metalurgia. Nos anos 80, dialogou com Manuel Correia de Andrade, Aziz Ab’Sáber, Milton Santos, Carlos Minc, Carlos Walter Porto Gonçalves. Em 1988, ele se tornou o primeiro livre-docente do Instituto de Geociências da Unicamp, no Departamento de Política Científica e Tecnológica, com a tese “No limite dos riscos e da dominação: a politização dos investimentos industriais de grande porte”. No início dos anos 90, Sevá foi para o Departamento de Energia da Faculdade de Engenharia Mecânica da Unicamp. Nos últimos anos, como professor do doutorado em Antropologia Social e Ciências Sociais, Sevá se dedicava a pesquisas sobre a energia hidrelétrica e se opunha à construção da Usina de Belo Monte, que tem afetado a população local na região de Altamira, às margens do Rio Xingu, no Pará. Recentemente Sevá, que foi convidado para os ENGs de 1990 e 2006, mantinha ainda o diálogo constante com geógrafos de Campinas, sua terra natal, e em várias oportunidades aceitou convites para falar aos estudantes de Geografia. Infelizmente, foi interrompido pela doença e pelo precoce falecimento.

Campinas, 2 de março de 2015.

Diretoria Executiva Local
Associação dos Geógrafos Brasileiros – Seção Campinas

Boa parte da obra recente de Sevá está disponível na internet. A seguir, um pouco de sua produção intelectual nos últimos dez anos:

[link] SEVÁ FILHO, A. O.; KALINOWSKI, L.M. Transposição e hidrelétricas: o desconhecido Vale do Ribeira (PR-SP). Estudos Avançados (USP), v. 26, p. 269-286, 2012.
[link] SEVÁ FILHO, A. O. ; GARZON, L.F.N. ; NOBREGA, R. da S. . Rios de Rondônia: jazidas de megawatts e passivo social e ambiental. In: Antonio Manuel Valdez Borrero; Vinicius Valentim Raduan Miguel. (Org.). Horizontes amazonicos: Economia e Desenvolvimento. 1a.ed.Rio de Janeiro: Letra Capital, 2011, v. , p. 51-65.
[link] SEVÁ FILHO, A. O. . Problemas intrínsecos e graves da expansão mineral, metalúrgica e hidrelétrica nas Amazônias. In: ZHOURI,A.; LASCHEFSKI,K.. (Org.). Desenvolvimento e Conflitos Ambientais. 1.ed.Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010, v. , p. 114-147.
[link] SEVÁ FILHO, A. O. “Estranhas catedrais. Notas sobre o capital hidrelétrico, a natureza e a sociedade”. Ciência e Cultura, v. 60, p. 44-50, 2008.
[link] SEVÁ FILHO, A. O. . Refinando a perícia: o trabalho, o saber, a condição humana. In: Marcelo Firpo Porto; Roberto Bartholo. (Org.). “Sentidos do Trabalho Humano. Miguel de Simoni, presença inspiração”. 1ed.Rio de Janeiro: E-papers serviços Editoriais, 2006, v. , p. 235-254.
[link] SEVÁ FILHO, A. O. (org.) . “TENOTÃ-MÕ. Alertas sobre as conseqüências dos projetos hidrelétricos no rio Xingu”. 01. ed. São Paulo: International rivers Network, 2005. v. 01. 344p.
[link] SEVÁ FILHO, A. O. Problemas ambientais e de vizinhança relacionados à energia, águas e indústria: regiões atingidas e focos relevantes de riscos no Estado do Rio de Janeiro . Revista Rio de Janeiro, v. 16-17, p. 143-166, 2005.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *