A restauração do conhecimento geológico e geomorfológico: reflexões epistemológicas

Resumo

Este artigo visa apresentar uma revisão sobre a história epistemológica da Geologia e das concepções de Davis na Geomorfologia, tendo como embasamento a filosofia de Francis Bacon. Durante sua sistematização, a Geologia esteve dependente de concepções teóricas relacionadas à mitologia greco-romana e aos dogmas cristãos. Entretanto, com a realização dos trabalhos de campo, os geólogos passaram a questionar estas teorias dedutivas e intuitivas para garantir a cientificidade da Geologia. Partindo da importância do resgate empírico a partir da investigação científica pelos fatos particulares, idealizada por Bacon, busca-se o questionamento das dependências teóricas na Geologia e na Geomorfologia e propõe-se a necessidade de prática empírica e experimental com os exemplos da Geologia de Engenharia e do planejamento ambiental na Geomorfologia. O diálogo entre as ciências a partir de experiências de campo é fundamental na restauração das Geociências, diante do atual cenário de busca pela recuperação ambiental e pelo diagnóstico das condições ambientais para orientar as políticas pelo conhecimento científico aprimorado com o avanço das geotecnologias.

Biografia do Autor

Alyson Bueno Francisco, Universidade Estadual Paulista
Graduado em Geografia com Licenciatura Plena (2007) e Bacharelado (2008), Mestre em Geografia (2011) e Doutor em Geografia (2017) pela Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” Campus de Presidente Prudente. Foi bolsista da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo nas modalidades de iniciação científica, mestrado e doutorado. Atuou em tutoria no ensino à distância em cursos de especialização lato-sensu. Atua em pesquisas sobre Geografia Física, Conservação do Solo, Controle de Erosão, Geotecnologias e Metodologia da Pesquisa Científica.
Publicado
2018-05-12
Seção
Artigos